fbpx
sap@oftalmo.center +5517981900011 +551733637223

Blefarite

Pálpebras doloridas e vermelhas, as  vezes acompanhas por casquinhas semelhantes a “caspas” nos cílios. Provavelmente você já viu alguém com os olhos assim. Agora, se você apresenta esses sintomas, é provável que esteja com uma afecção muito comum que acomete os olhos, conhecida como Blefarite.

Acometendo 1 pessoa em cada 5, é provocada pelo excesso de oleosidade nas pálpebras, e pode ocorrer devido a alterações hormonais, excesso de gordura, dermatite seborreica, infecções bacterianas, entre outras. Infelizmente não há cura, mas com o diagnostico e tratamento adequado, é possível controlá-la.

Inflamação

A Blefarite é uma inflamação não contagiosa das pálpebras, e pode acometer pessoas de todas as idades, mas é mais comum em idosos. Provoca diversos sintomas além da vermelhidão e do aspecto inchado das pálpebras, como coceira, irritação nos olhos, sensação de corpo estranho e lacrimejamento, sintomas que também são comuns a outras doenças como alergias e conjuntivites

A inflamação atrapalha muito a qualidade de vida do paciente, interferindo até mesmo na capacidade de trabalho. Geralmente está associada com olho seco, e acredita-se que estas doenças tenham uma mesma origem, que é a disfunção de algumas glândulas presentes nas pálpebras, que produzem uma secreção oleosa importante para a composição da lágrima.

O comprometimento destas glândulas faz com que esta secreção se torne espessa e perca a função. A borda das pálpebras ficam cobertas por detritos com aspecto oleoso, e geralmente há um aumento do número de bactérias neste local, e a inflamação crônica pode levar até mesmo a perda dos cílios. O resultado é o aspecto avermelhado e inchado dos olhos.

Tratamento

O tratamento da Blefarite é bastante simples, e passa pela mudança de alguns hábitos. Um deles é relacionado a assepsia externa das pálpebras com xampu neutro de bebe, associado a compressas de água morna, que ajudam a amolecer e a remover a gordura em excesso presente nas pálpebras.

Outra mudança se refere aos hábitos alimentares. Uma alimentação rica em vitaminas A, C, E e em Ômega 3 também são importantes aliados no controle da Blefarite. O Omega 3 melhora o funcionamento das glândulas das pálpebras, além de ter função anti inflamatória.

Pacientes que serão submetidos a cirurgias oculares podem ter sérias consequências em virtude deste problema. Cirurgias refrativa e de catarata podem evoluir desfavoravelmente em pacientes portadores desta afecção, com infecção e inflamação que geralmente não são comuns nestes procedimentos. Também causam alterações na visão, pela baixa qualidade da lágrima, que evapora deixando o olho seco.

A Blefarite é geralmente negligenciada pelos pacientes. O aspecto crônico e lento do estabelecimento da doença faz com que se demore a procurar o tratamento correto. Somente o(a) oftalmologista pode avaliar e recomendar o tratamento correto para o controle adequado. O tratamento inadequado, ou a falta do mesmo, pode provocar sequelas que seriam facilmente evitáveis.

As pálpebras são incansáveis protetoras dos olhos, e devemos cuidar com esmero de sua saúde para preservar o órgão que conhecemos como a janela da alma.

 

Dr. Marco Antônio de Castro Olyntho Jr.

CREMESP 92737 / RQE 31927
Médico Oftalmologista com Tí­tulo pela Associação Médica Brasileira e Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Membro da Academia Americana de Oftalmologia

%d blogueiros gostam disto: